98.5 FM

Ontem rolou a festa da rádio Metropolitana. Eles fecharam a balada Le Rêve que fica na Marques de Paranaguá (rua que morei com meu irmão quando ele fazia facul) para comemorar o 1º lugar no IBOPE como a rádio número um no público jovem da cidade de São Paulo.

O evento, começou por volta das 21h, mas quando eu cheguei 21h12 já estava lotado. Primeiro fui apresentar a casa para minha amiga Talita, mostrar que a Le Rêve é linda e dividida em 3 ambientes. Depois sentamos um pouco para fofocar em um lounge com drinks variados quando chegou o Emerson e a fofa da Sabrina. Mas ao encontrar com o Rafa tivemos que descer pra pixxxta que logo lotou de gente bonita curtindo o som que o Dinho Ouro Preto (Capital Inicial) escolheu pra brincar de DJ.

Rolou ainda o show ao vivo de uma banda sertaneja. Às 23h40 teve o sorteio de uma viagem para Orlando e uma segunda chance de eu ganhar às 2h30. Mas não consegui aguentar até às 4h, que foi quando a festa terminou. Saímos meia noite e meia pois prometi pro noivo da minha amiga deixá-la em casa sã e salva.

Cerca de 800 pessoas curtiram a balada, dançaram e petiscaram – tinha queijo com melado, pastel, quiches, tomatinhos, polenta – mas o mais legal foi o fone azul que ganhei na saída. Quando cheguei em casa já sintonizei na 98.5 e voltei a dançar até às 3h da madruga no mais alto volume. #metropolitanafm 

11900018_10154104901517646_4745639691372452184_n 11935028_921437437928657_8392610979951052040_n 11949281_10154104839337646_6181106291508728704_n IMG-20150828-WA0004 IMG-20150828-WA000711903741_10207903116842672_6491480193126913288_n

Advertisements

#orgulhogrey #Gillette Venus Breeze

Olá amores e amoras,

Estou muito, muito, muito feliz que finalmente sairam os comerciais que criei com o Eder para a Gillette Venus Breeze. Foi uma experiência incrível gravar com a Ivete e a Claudia Leitte. Se eu já era fã, imagina agora. Mas o mais legal é ver seu trabalho na rua, sentir que as mulheres se identificam com cada fala, cada momento, desde a hora de fazer a mala e ficar #prontapraviajar, a passar horas no shopping, salão, se arrumando o dia todo para sair só a noite #prontaprasair. O conceito: Com Gillette Venus Breeze, você está sempre pronta pra tudo, reforça ainda mais o movimento das mulheres 2 em 1.

Sorte minha trabalhar com uma marca tão bacana e que lança produtos revolucionários. Um produto exclusivo para nós, com barras de gel que dispensam o uso do sabonete, e desliza macio na pele na hora de depilar. Não é o máximo?!

11407134_10152874321012201_7360360700663419925_n

_SEL7697 _VEN8570 DSC_1437%2520%25282%2529 DSC_1991%2520%25281%2529

Fiquem com os vídeos e curtam muito esta novidade.

https://www.youtube.com/watch?v=sC_eOR2jtDc

https://www.youtube.com/watch?v=Ejomv6iGeXQ

Do outro lado de mim

Bom dia.

Obrigada.

De nada.

Com licença.

Por favor.

Pequenas gentilezas formam grandes homens.

Seja no Brasil ou em qualquer País.

O que nos falta e fali é a educação

Onde tirar vantagem vale mais do que ganhar o pão.

Somos condescendentes a aceitar o que vier.

Ser displiscentes com o que o outro precisa ou quer.

Ancorar sonhos robustos no passado.

Levar os dias como quem empurra a barriga enorme e vazia.

Politicamente incorreta, socialmente careta.

Minha língua discorre um beijo ácido, verso vulgar.

Mas a garganta não bebe vinho nem vodka, champagne ou cerveja.

Destila um abrigo inóspito, mascara o refúgio da rotina.

Tudo, tanto e quanto. Nada.

Minto a respeito do meu espelho.

Não sou bela nem tão boazinha assim.

Também não sou de me conformar com rótulos.

Por isso, quando me pintam, mudo.

De figura, mala e cuia, pro outro lado do mundo,

do outro lado de mim.

IMG-20150818-WA0010

Sonhos sempre vem pra quem sonhar

Certa noite a Xuxa pediu no seu facebook: Me conte um pouco da sua vida. Em 8 segundos já tinha milhões de pessoas escrevendo livros para ela. Que a rainha tem um alcance inegável em qualquer mídia ninguém discute. O que duvidaram era se ela iria ler tudo. Bom, ontem vimos que ela leu e ainda escolheu algumas pessoas para visitar.

Imagina abrir a porta e ver a Xuxa ali, na sua frente, na sua casa? A última vez que estive o mais próximo dela foi em um show só para baixinhos que ela fez em Goiânia. Faz exatamente 10 anos e os ingressos se esgotaram tão rápido que me vi debruçada em lágrimas, no portão do ginásio, vendo pela frestinha um pedacinho da sua bota branca. Eu havia começado um namoro há 2 semanas, e ele ainda não conseguia entender a dimensão do meu amor. Porque se imaginasse, com certeza teria dado um jeito de me colocar lá dentro. Já escrevi cartinha, gravei vídeos cantando pra ela no youtube, entrei numa agência de publicidade só pra trabalhar com a menina que fez a Xuxa ficar morena. Tudo para me sentir mais perto do que mais desejo nesta vida.

A verdade é que depois que a gente cresce fica condicionado a não gostar de certas coisas associadas a nossa infância: desenhos animados, brinquedos, sonhos… E dizer o quanto você idolátra uma apresentadora de TV como se ela fosse sua fada madrinha, aquele anjo que estava com você todas as manhãs lhe fazendo acreditar que tudo pode ser, acaba virando alvo de críticas e deboches. Cabe a você tentar se defender ou bater no peito com todo orgulho dizendo que SIM, você entende que ela é uma pessoa, real, com todos defeitos e qualidades, e você a ama ainda mais por isso.

Ontem ela voltou a fazer parte dos nossos dias. Esperarei toda segunda pra ter um encontro marcado com ela. Eu voltarei a ter esperança de um dia conhecer o Rio de Janeiro e poder dizer a ela muitoooo obrigada por existir.

Hoje não posso voltar a ser criança, mas volto a ter sonhos.

#XuxaNaRecord #EstamosComVocê @pgmxuxameneghel

xuxa111

No banheiro pode sim

Você já comeu no banheiro? Sim, perguntei isso mesmo que você leu. Não sei porque esta cara de espanto. Ou seria de nojinho! Estou querendo saber se algum dia da sua vida já sentou em uma privada, fechada ou aberta (realmente não muda em nada) e comeu no banheiro.

Pense bem. Vale desde a última bolacha do pacote que você não queria dividir com ninguém ou aquela trufa de chocolate maravilhosa que jogou na bolsa no último casamento e por ser um doce roubado valia também elevar seu status a um doce que merece ser comido escondido. O que uma pessoa que come no banheiro sabe sobre merecimento?

Bom, se você tiver anos e anos de experiência entenderia que tudo que é escondido é muito mais gostoso. E mesmo que ninguém tenha proibido você de comer, ou de alguma maneira quer tomar conta do seu regime, o que você coloca na boca naquele momento tão íntimo só interessa a você.

Recomendo se for um guloso de primeira viagem que lave as mãos e não deixe o alimento jogado na pia. Fora isso. Tudo bem. Os mesmos germes do banheiro percorrem por sua cozinha. Mas na cozinha, você precisa cumprir um ritual tradicionalista e imposto que inclui: comer de boca fechada, em pequenas porções, de 3 em 3 horas e de preferência, sentado à mesa. Você vai ter que engolir, mesmo que sozinho, a obrigação de fazer deste ato um evento no seu dia. Não se pode simplesmente comer por comer se alguém passou horas cozinhando pra você e serviu em um lindo prato. Se não é petisco, vira ritual.

Ainda não experimentei levar uma marmita para o banheiro. Pão já. Talvez o banheiro seja o único lugar realmente privativo da casa. A exemplo do Big Brother. No banheiro não tem câmera vigiando seus atos 24 horas por dia.

Acho que quem pensa como gordo, mesmo se não for um gordinho, fatalmente um dia se pegará comendo no banheiro. Ser descoberto é pior do que ser visto pelado. Não desejo isso pra ninguém.

Comecei a comer no banheiro porque no meu trabalho não podia comer perto dos computadores, depois continuei porque estava engordando 4 quilos por dia e não queria ser julgada, mais tarde porque era o único lugar que tinha trancas, e parei porque percebi que a minha consciência continuava ali comigo, não dava pra eu dar descarga e jogá-la ralo abaixo.

Mas confesso que de todas as podridões humanas, esta é tão pequena. E meu marido que só come depois que vou dormir? Certas regras existem apenas na sua cabeça.

IMG_7360

Já me sinto como

Sou mãe.

Sou mãe desde que tinha 2 anos e meio e nasceu a minha irmã. Eu não cuidava dela mas entendi super bem que amor não se divide, se soma.

Sou mãe.

Sou mãe quando no meu aniversário de 5 anos recusei o jogo de panelinhas que o amigo do meu pai me deu com o pretexto de que não ia cozinhar, precisava cuidar da minha boneca.

Sou mãe.

Sou mãe quando meu irmão falou pela primeira vez e percebi que ele nunca pararia de falar e de correr e de alegrar as nossas vidas. E o elegi como meu amor maior.

Sou mãe.

Sou mãe desde que descobri que não bastava plantar uma árvore, era preciso regar para ela crescer, e que ter um animal só para dizer para os amigos que ele é o melhor amigo do homem não basta se deixá-lo preso e se a sua mãe ficar com a tarefa de limpar o xixi e o coco.

Sou mãe.

Sou mãe quando fui escolhida para ser madrinha do Henrique com apenas 13 anos. Vi aquele bebê lindo de cabelos loiros cacheados, enquanto dentro de mim transbordava um sentimento único. E depois pude compartilhar com o Pedro Vinícius, a Isabela, o Benjamin e quem achasse que sou merecedora deste presente.

Sou mãe.

Sou mãe no instante em que dei meu primeiro beijo e aquele nome que tanto rabisquei na agenda se transformou em um menino real. Com isso, compreendi que 1) não existe príncipe encantado 2) não importa se você é a mais tímida, a menina de tranças da escola, se você escolher beijar o menino mais lindo e contar pra turma toda, seu desejo pode se realizar.

Sou mãe.

Sou mãe desde que nasceu a sobrinha do meu primeiro namoradinho e escolhemos juntos o nome dela. E quando precisamos nos separar para cada um seguir o seu caminho em uma cidade diferente, aprendendo com isso que quando a gente quer o bem do outro, precisa deixar partir.

Sou mãe.

Sou mãe na tarde em que meu amigo da faculdade, o Gustavo, me ensinou com toda paciência do mundo a tocar Vapor Barato. Ele acreditava que eu podia tocar e embora eu tenha feito 6 anos de aulas de violão, sabia que era melhor ser cantora. Escolhi que esta seria minha música e Honey Baby minha filha. Quando a música tocasse, em qualquer lugar do mundo, seríamos lembradas.

Sou mãe.

Sou mãe quando decidi escrever um livro e percebi que suas páginas só aumentam a cada da minha vida, a cada história, das divertidas às impublicáveis. Por isso, me tornei redatora.

Sou mãe.

Sou mãe dos meus amigos, dos meus primos, dos colegas de serviço e até da minha mãe. Tenho este lado maternal em mim, gosto de agradar, tentar adivinhar os pensamentos, surpreender, abraçar, escutar, enxergar o lado bom das pessoas, compreender os motivos de cada um, e me entregar a elas com toda a alma.

Sou mãe.

Sou mãe quando a Mila teve a primeira filha, a Camila teve a primeira filha, a Carol, a Tati, a Rafa, a Samy, a Elysa também, e vi todas aquelas barrigas crescendo, os enjoos e olheiras das noites sem dormir, mas acima de tudo a dedicação que tiveram em assumir tamanha responsabilidade.

Sou mãe.

Sou mãe desde que fui morar com minha cunhada e meu afilhadinho tinha 2 meses de idade. Ele não chorava, não me acordava de madrugada, não dava o menor trabalho. Mas aprendi a dar banho, dividir meu prato de comida, brincar, rolar no chão e acordar cedo nos finais de semana só para ter mais tempo com ele.

Sou mãe.

Sou mãe quando dancei com meu marido pela primeira vez, e brigamos, e fizemos as pazes, e entendi que o amor se constrói no dia a dia e me surpreendi ao ver que sou uma mulher mais apaixonada, realizada, plena. Que gostaria que a Julia tivesse seus olhos, seu cabelo, sua cor, mas definitivamente meu gênio. E que dele não precisava ser mãe.

Sou mãe.

Sou mãe desde que disse sim, quero namorar com você, sim, quero ser sua noiva, sim, quero casar com você, sim, quero que seja o pai dos meus filhos. E aí me preparei para isso. Escolhi a cidade ideal para nossa família, arranjei um bom trabalho, fui em zilhões de médicos, emagreci 50 quilos, entrei para a academia, preparei o meu corpo, a minha cabeça e a minha rotina pra receber uma nova vida.

Aí me perguntam: você tem 34 anos, não pensa em ter um filho?Então respondo: Eu espero a vida inteira por isso.

Signs – música nova da Claudia Leitte

No dia em que conheci a Claudinha, posso dizer que um dia iluminado e de muitas realizações, ela me apresentou esta música dizendo: – “Foi a primeira que escrevi em inglês, letrinha por letrinha, sentimento por sentimento. É minha oração.” E com uma pronuncia perfeita, de quem vive com a família em Los Angeles, ela cantou. Mais parecia um anjo. Mais parecia um sonho.

Escutem as duas versões e me digam qual preferem.

https://www.youtube.com/watch?v=3b3iDyFS1ZM

IMG_8120